VALIDAÇÃO DO MÉTODO PARA PRESCRIÇÃO DE TREINAMENTO AEROBICO EM ESTEIRA UTILIZANDO A DISTÂNCIA COMO PARÂMETRO DE CONTROLE.

Por

LUIZ ALCEU SANTOS CIDREIRA
luizalceu@fisiologista.com

A resistência aeróbica sofre a influência de alguns princípios do treinamento desportivo para que ocasionem os benefícios necessários aos objetivos propostos a melhoria do condicionamento físico.

O princípio da adaptação onde há quebra da homeostase do organismo que pode ser rompida por fatores internos e externos: calor, frio, esforço físico etc.Sempre que a homeostase é perturbada o organismo procura mecanismo compensatórios para restabelecer o equilibrio, provocando uma resposta adequada aos estímulos de acordo com a intensidade de seus efeitos no organismo podendo ser: debil, médio, forte e muito forte (HUSSAY,1956). O professor dependerá de parâmetros físiológicos para situar a intensidade do treinamento dentro de uma faixa que provoque adaptação no organismo, para que ocorra o processo de exaustão, que leva o organismo a desgaste orgânico provocado pela atividade física.

O princípio da sobrecarga é aplicação de uma carga de trabalho que após a mesma há uma recuperação do organismo, visando a restabelecer  a homeostase. A carga pode ser considerada como o aumento do volume do treino através da distância a percorrer e a intensidade que pode ser a velocidade de execução do movimento, onde ambas devem ser adequadas a individualidade biológica do indivíduo após teste específicos de avaliação física. Normalmente , aplica-se a sobrecarga inicialmente sobre o volume; só após esta carga estar assimilada é que se sobrecarrega a intensidade. O aumento da resistência aeróbica ocorre os primeiros resultados após dez microciclos de trabalho. Assim se haver interrupção do exercício regular no treinamento ocorrerá alterações rápidas na aptidão cardiovascular e a aptidão aeróbica caindo significativamente os volumes sistólicos  e sanguíneos (DANTAS, 1998). Embora a aptidão aeróbica seja,influenciada pela genética, pelo sexo e pela idade, cada indivíduo pode atingir um nível de aptidão física correspondente aos objetivos de desempenho pessoal, tornando mais fácil e prazerosa a realização das atividades diárias (NEUMAN, 1999).

DISCUSSÃO

Com relação as mulheres  houve uma variação significativa entre o VO2max e o VO2final, pois o treinamento aeróbico na esteira rolante é uma atividade ciclica que envolvem grandes massas musculares, e podem ser sustentadas por longo período de tempo caso obtenha um bom condicionamento físico, mantendo a frequência cardiaca em steady-state, adequadas para aumentar o VO2max que sofre influência dos fatores genéticos que parecem estabelecer limites para o que é possível pela prática de exercícios, aptidão aeróbica praticada por um longo período de tempo de exercício de resistência contribui para que não ocorra o declínio do VO2max relacionado com o processo de envelhecimento (NEUMAN, 1999).

Apesar de vários estudos apontarem diferenças percentuais no VO2max obtidos em distintos ergômetros, tais diferenças podem diferir bastante em função da população estudada como o caso de não- atletas (ASTRAND, 1961).

No caso da pesquisa a especificidade do movimento interferiu nos resultados do teste de avaliação, pois as mulheres fizeram os treinos na esteira rolante e o teste de VO2max na bicicleta ergométrica, que possui gesto motor diferentes do habitual, causando uma sensação de fadiga periférica nos menbros  inferiores na execução do pós teste

Os sujeitos da amostra eram sedentárias, a variação de sobrecarga foi de acordo com a percepção de esforço de OMNI que só aumentaria o volume da sessão caso o indivíduo corresponde-se ao esforço 05 na escala de OMNI. O qual não aconteceu porque muitas mulheres se sentiam cansadas no exercício com relação ao volume da sessão, porque procuravam aumentar a intensidade através da velocidade, devido uma melhor eficiência mecanica no movimento de caminhar adquirido durante os treinos, levando o organismo a uma sensação de overtraining no final  das sessões de 3.0km.

A influência da idade no treinamento provocou alterações no resultado da PSE, pois a capacidade de uma pessoa se exercitar intensamente diminui com a idade. A PSE obteve um resultado mais alto nas mulheres de menor idade, devido a facilidade de coordenação motora e melhor condicionamento físico, devido o aumento da velocidade a cada sessão para fazer a distância no menor tempo possível. Já no aspecto motivacional as mulheres apresentaram um bom desempenho, por causa da percepção de melhora do treinamento aeróbico e resistência atingindo os objetivos estéticos.

4. CONCLUSÃO

Ao montar um programa de atividade aeróbica deve-se levar em consideração o estado inicial do condicionamento físico do praticante pois quanto mais sedentários maiores as possibilidades de melhora  ou dificuldades em aprimorar seu condicionamento. Sendo assim o VO2max é uma condição importante, mas não suficiente para determinar o resultado de performance em atividades aeróbicas, porque o VO2max sofre grande influência da hereditariedade e a regulariedade da prática de exercícios aeróbicos, pois a cada dez anos há o declinio da potência aeróbica.

A distância é um índice fisiológico objetivo no treinamento mas a interferência da velocidade na esteira rolante. O  volume (3.0km) aumentou a intensidade percebida na escala de OMNI, não ocorrendo a progressão de treino relacionada ao aumento da distância, proporcionando pouca diferença no  VO2max. Então maior distância melhora o VO2max por causa da predominância aeróbica, por isso devemos tomar cuidado ao prescrever atividade de 30 minutos para nossos alunos sedentários que equivale a velocidade de 6.0km/h nas esteira rolantes na maioria.

Na atualidade as mulheres estão mais adeptas a atividade aeróbicas devendo o professor estar mais atento ao fato da motivação individual para que as mesma permaneçam mais tempo nos programas de exercício, devendo as atividades ser prescritas de forma adequadas as característica do aluno juntamente com o resultado da avaliação física, promovendo o  incentivo  e desafio no treinamento.

A conclusão que a distância deve ser utilizada nos programas de treinamento aeróbico, porque fornece subsídio de controle de treinamento a atividade prescrita, juntamente com a percepção subjetiva de esforço de OMNI  que está relacionada ao aspecto motivacional e de esforço do aluno.

REFERÊNCIAS

Aspecto atuais da prescrição de exercício para mulheres, html:file//h:/vo2max/aspectosatuaisdaprescriçãodeexercicioparamulheres;     Acesso em: 29/03/2010.

BESTETTI, R. B; SANTOS, José E. Dos (1984). Influência do exercício físico aeróbico na prevenção da doença coronariana, Rev. Saúde públ., São Paulo: 333-336

BRUM, Patricia C.; FORJAZ, Claudia Lucia de M; TINUCCI,T; NEGRÃO, Carlos E.(2004).  Adaptaçoes agudas e crônicas do exercício físico no sistema cardiovascular, São Paulo, Revista Paulista Educação Física 18; 21-31,

CARVALHO, Tales de; NÓBREGA, Antonio C. L. da; LAZZOLI, José K; MAGNI, João Ricardo T; REZENDE, L;  DRUMMOND, F. A; OLIVEIRA, Marcos A. B. De; ROSE, Eduardo H; ARAÚJO, Claudio Gil S. de; TEIXEIRA, José A. C.(1996). Posicionamento Oficial da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte: Atividade Física e Saúde 2 (4):. 79-81,

Como melhorar seu VO2máx. HTTP://o2porminuto.uol.com.br/scripts/materia/materia_det.asp?idMateria=1722 Acesso em 13/11/2009

FARIAS, E. dos S; MENDIVIL, F. H. da S.; JÚNIOR, Gil G.(2008). Efeitos dos treinamentos aeróbicos sobre componentes da aptidão física relacionada à saúde em mulheres adultas. Maringá. Revista Educação Física/UEM19 (4): 591-598.

FARINATTI, Paulo, ASSIS, Bruno F. C. B., Estudo da freqüência cardíaca, pressão arterial e duplo-produto em exercícios contra resistência e aeróbio contínuo, Revista Brasileira Atividade Física e Saúde 5(2): 05-16.

FOX, Eduard L.(2000). Bases Fisiológicas do Exercício e do Esporte 6 Ed.Rio de Janeiro: Guanabara Koogon.

GUETHS, Marcos(2003). As características e prescrição do exercício aeróbico; Revista digital; Buenos Aires; Ano 9; Nº67; HTTP://www.efdeportes.com, Acesso em 17/05/2010

ERRY, R.T; JACK, K. N.(2002). Método de Pesquisa em Atividade Física.3Ed;Porto Alegre:Artmed.

LEITÃO, M. B; KAWAZOE, J; OLIVEIRA, M. A. Brazão de; NÓBREGA, A. C. Lucas da; SILVEIRA, Geraldo. G. da; CARVALHO. Tales de; FERNANDES. Eney O; LEITE. N; AYUB, A. V; MICHELS. G; DRUMMOND. F. A; MAGNI. João Ricardo T; MACEDO, C; ROSE, Eduardo Henrique De.(2000). Posicionamento Oficial da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte: Atividade Física e Saúde na Mulher 6(6): 215-220.

MAUGHAN, Ronj,(2000). Bioquímica do Exercício e do Treinamento;  1 Ed.São Paulo:Manole

MC; Ardle, Willian, D.(1992). Fisiologia do Exercício, Energia, Nutrição e Desempenho humano;3 Ed.Rio de Janeiro:Guanabara Koogan

OLIVEIRA, Aliana B. de; CABRAL, Patrícia U. L.(2008). O efeito de um programa comunitário de exercício físico aeróbicos na aptidão cardiorrespiratória de mulheres de meia idade; Anais do III Encontro de Educação Física e áreas afins; Departamento de Educação Física/ UFPI; 23,24,25outubro.

PITANGA, Francisco J. G.(2008), Testes, Medidas e Avaliação em Educação Física e Esporte.5 Ed. São Paulo:  Phorte.

POMPEU, F. A. M. S.(2004). Manual de Cineantropometria. Ed. Sprint: Rio de Janeiro.

PRADO, E. S; Dantas. E. H. M.(2002). Efeito dos exercícios aeróbicos e de força nas lipoproteínas HDL, LDL e lipoproteina (a). São Paulo, Arquivo Brasileiro Cardiologia 19(4): 01-07.

SANTOS, M; NOVAES. P; FRANÇA, E; CUNHA, Regiane M; MOIA, M. Efeito do treinamento intervalado e do treinamento contínuo na redução da composição corporal em mulheres adultas,  Universidade Gama Filho.Brasilia,DF: 3-8

TAKAYOSHI, G; JUNIOR, A. E. de Aquino; BARRRETO, S. M. G; DUARTE, Ana C. G. O.(2008).  Resultado de diferentes freqüências semanais de treinamento sobre a composição corporal e aptidão em mulheres pré-menopausais entre 30 e 50 anos14(3), 241-251.Rio Claro.

TUBINO, G.(1984). Metodologia Científica do Treinamento Desportivo.9 Ed. São Paulo:Ibrasa.

SILVA, M. S;MOTA, M.R; PARDONO. E; SIMÕES, H.G;OLIVEIRA, R.J;SILVA, F.M.(2009). Relação entre performance no teste de 12 minutos de Cooper e o limiar anaeróbico em adultos. Revista de Educação Física UEM 20,61-67.Maringá-Pr

Brian. J. Sharkey.(1998). Condicionamento Físico e Saúde.Porto Alegre.Ed. Artmed:pág 76-115.

HASSAN M. E; KRINSKI, K;BUZZACHERA,C.F; NUNES, R.F.H; ALMEIDA,F.A.M;BALDARI,C;GUIDETTI,L;CAMPOS de W;SILVA, G. Da S.(2009).Resposta fisiológicas e perceptuais obtidas durante a caminhada em ritmo autosselecionado por mulheres com diferentes índices de massa corporal. Revista Brasileira de Medicina do Esporte15(4): 01-08.Niterói-Rj

KISS, M.A.P.D.M.(2003).Esporte e exercício: Avaliação e Prescrição;São Paulo; 1Ed.São Paulo: Roca.

AMERICAN College of Sport Medicine.(2007). Diretrizes do ACSM para o teste de esforço e sua prescrição. 7Ed. Rio de Janeiro:Guanabara Koogan.

UTTER Ac, et al.(2004). Validation of the Adult OMNI Scale of  perceived exercition for walking/ running exercise.MED SCI SPORTS EXERC.

Dantas, Estelio H. M. (1998). A prática da preparação física. 4 Ed. Rio de Janeiro: Shape.

MONTEIRO,W.(2004).Manual para Avaliação e Prescrição de Condicionamento Físico; 4 Ed.Rio de Janeiro: Sprint.

NEUMAN, C.D.(1999).Exercício e Saúde; Ed: Manole.

2 comentários sobre “VALIDAÇÃO DO MÉTODO PARA PRESCRIÇÃO DE TREINAMENTO AEROBICO EM ESTEIRA UTILIZANDO A DISTÂNCIA COMO PARÂMETRO DE CONTROLE.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s