Artigo trata das mudanças cognitivas relacionadas à idade


Dados foram importantes para planejar abordagem expositivo-explicativa sobre processo fisiológico do envelhecimento humano

O artigo ‘Conscientizando idosos e profissionais da saúde acerca das mudanças cognitivas relacionadas à idade’, de Liane da Silva Vargas, Niege Alves, Marcus Vinícius Soares Lara e Pâmela Billig Mello-Carpes, do Grupo de Pesquisa em Fisiologia da Universidade Federal do Pampa, foi publicado na revista Ciência em Extensão, da Universidade Estadual Paulista (Unesp).

O presente artigo relata um conjunto de ações de extensão que tiveram como objetivo realizar uma abordagem educacional direcionada às pessoas idosas e profissionais que trabalham com esse tipo de população acerca das mudanças cognitivas fisiológicas decorrentes do envelhecimento e suas repercussões na vida diária. Para isto, participaram deste estudo idosos e profissionais integrantes de grupos de convivência e de unidades básicas de saúde. Inicialmente, os idosos foram submetidos a uma avaliação da função cognitiva e aspectos emocionais. Também foram acessados dados como idade, presença de doenças crônicas e frequência de realização de atividades físicas pelos idosos.

Os dados coletados foram importantes para o planejamento de uma abordagem expositivo-explicativa sobre o processo fisiológico do envelhecimento humano, com ênfase nas alterações cognitivas presentes nessa fase da vida, bem como sobre as doenças que interferem e/ou agravam este processo. Nessa etapa do estudo, são expostos os resultados obtidos na avaliação cognitiva desses idosos, explicado o provável mecanismo pelo qual alguns deles apresentaram alterações nos processos mnemônicos e também  como algumas doenças aceleram o declínio cognitivo quando associados à idade.

Posteriormente a estes esclarecimentos, foram realizadas algumas atividades práticas como forma de demonstrar alternativas simples que colaboram para um envelhecimento saudável, com preservação e ou manutenção das funções físicas e cognitivas. Foi verificado que há uma carência de esclarecimentos referentes ao benefício de atividades simples cotidianas importantes para o idoso manter-se ativo cognitiva e fisicamente e, assim conquistar um envelhecimento com melhor qualidade de vida.

Além disso, existe carência quanto ao conhecimento da parte dos profissionais do serviço, uma vez que muitos deles não entendem ou desconhecem como acontece o processo fisiológico do envelhecimento e suas implicações no dia-a-dia dos idosos. Pode-se perceber que houve uma grande aceitação das ações e uma integração bastante satisfatória tanto com os idosos quanto com os profissionais, havendo troca de conhecimentos, informações e esclarecimentos úteis para a melhora do serviço.

Além disso, houve interesse da parte dos profissionais em seguir dando esse suporte educacional aos idosos, proporcionando a esses indivíduos mais momentos de lazer aliados à aprendizagem, sendo esses dois fatores essenciais ao desenvolvimento de um envelhecimento saudável com autonomia e melhor qualidade de vida.

Fonte:
Universidade Estadual Paulist

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s