Não é necessário ser atleta para consumir creatina, prega lobby


Pesquisador defende suplemento até para idosos; uso exagerado pode prejudicar rins

JULIANA VINES
DE SÃO PAULO

Suplementos com creatina, composto que aumenta a massa muscular, podem ser usados por qualquer pessoa.
A opinião é do pesquisador em Ciências do Esporte Melvin Williams, da Universidade Old Dominion, Virginia, Estados Unidos.
Ele estará no Brasil entre os dias 20 e 27 para um simpósio promovido por uma marca de suplementos.
“A substância é eficaz para quem quer ou precisa ganhar massa muscular. É indicada até para idosos”, disse Williams em entrevista à Folha.
De acordo com ele, estudos comprovam que a creatina ajuda a tratar distrofias musculares. “Há muitos mitos sobre o suplemento.”
A creatina é um composto de aminoácidos presentes em fibras musculares e sintetizado pelo corpo humano.
A venda da substância em suplementos alimentares era proibida pela Anvisa até abril deste ano. A liberação veio acompanhada de duas ressalvas: o produto deve ser consumido apenas por atletas de alta performance e a ingestão diária não deve ultrapassar três gramas.
“Atleta de alta performance é meio porcento da população. Eu indicaria para qualquer pessoa que está na academia e quer ganhar massa muscular”, afirma Turíbio Leite de Barros Neto, médico fisiologista da Unifesp, que também vai participar do simpósio patrocinado pela fabricante de suplementos.
Para ele, tem-se uma ideia errada do papel da creatina. “Não é bomba, não é medicamento. Produzimos creatina a partir da ingestão de carne, mas nem sempre a dieta atende a necessidade muscular da substância, por isso indico suplementação.”
Mas ninguém discorda que uso excessivo da creatina causa sobrecarga renal.
Pesquisa da Universidade Estadual do Rio de Janeiro publicada na revista “História, Ciências e Saúde”, da Fiocruz, mostrou que a substância é uma das mais populares entre fisiculturistas.
“Eles acabam trocando a comida por um suplemento, quando muitas vezes apenas uma dieta equilibrada seria suficiente”, diz a nutricionista Maria Cláudia Soares Carvalho, uma das autoras.
Para o educador físico Reinaldo Bassit, professor da USP, mais perigoso do que ultrapassar o limite de ingestão diária é consumir o suplemento sem saber sua origem e a forma como é conservado.
“Há vários graus de pureza do produto. É preciso saber se só há creatina ou há também substâncias como a creatinina, resultado da degradação da substância.”
A creatinina pode ser tóxica. Exposição ao calor, à luz ou umidade podem transformar a creatina em creatinina.
“É preciso saber a origem do suplemento de acordo com o lote e registro e checar se ele foi armazenado corretamente. Caso contrário, não vai fazer efeito”, diz Bassit.

Anúncios

Um comentário sobre “Não é necessário ser atleta para consumir creatina, prega lobby

  1. Olá Luiz Alceu, parabens pela materia.
    Eu venho estudando sobre suplementação desde 2008.
    Em 2009 criei uma estrategia suplementar para minha equipe de juniores no carioca da 1ª divisão.
    Com a ajuda da nutricionista, foi criada a estrategia alimentar que eram 6 refeições diárias com 4 suplementações diárias, além de todo o planejamento da competição.
    Tive ótimos resultados, principalmente no dias de calor.
    Minha equipe não apresentava sinais de muito desgaste no intevalo dos jogos e a sustentabilidade foi muito boa.
    O único suplemento que não utilizei foi a Creatina.
    Gostaria de trocar mais informações com você.
    Parabéns e sucesso.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s